terça-feira, 26 de outubro de 2010

Humanos em si, não morrem. Dependendo da pessoa, ainda podemos imaginá-las em nossas casas fazendo o que costumávamos fazer.
Hoje, me arrependo de nao ter dito a voce o quanto fui feliz naqueles momentos. Éramos crianças e me lembro até hoje, quando entro no meu quarto, de nós duas brincando e minha mae brava pelo barulho... achávamos isso engraçado. Estranho, mas lembro também da primeira vez que me contou o nome do menino que voce gostava. Primeira vez e única.
Nao há um dia sequer que eu nao olhe pela minha janela sem lembrar do cantinho que voce sentava e ficava toda solitaria vendo as crianças brincando e eu aqui.. querendo ajudar mas sem nada pra falar.
Estou eternamente arrependida de nao ter dito nem um  "oi" naqueles dias em que apenas uma grade nos separava.
Nao fiz por merecer e também jamais perguntei se isso te fazia mal.  Mas também nao sei como é que vai ser e nao sei se um dia voltarei a te encontrar. Mas se isso acontecer, eu juro nunca mais te abandonar... nem nos teus piores momentos.
Errei feio uma vez e só quando te perdi, percebi a gravidade do meu ato, da minha burrice e hoje, já nao sei se serei perdoada.
O que eu sempre quis te dizer é: "Eu te amo muito" e hoje mais do que nunca: "Eu sinto a sua falta". AP 28/08/2008 s2222222

Nenhum comentário:

Postar um comentário